O livro de Åsa Nilsonne, cujo título traduzido ficaria algo como “Quem decide sobre a sua vida?” tem como subtítulo “sobre presença consciente”, que é uma tradução ao pé da letra do inglês “mindfulness”, ou seja a possibilidade de se concentrar intensamente em tudo o que se faz. Muito interessante o livro. Gostei principalmente de como podemos reduzir a ansiedade e entrar num estado de relaxamento quando se reduz a “janela de tempo” em que nos concentramos. Quer dizer, em vez de ficar pensando no que deu errado no passado e no que pode dar errado no futuro nos concentramos no presente apenas. Bacana.

Lido em sueco.

“The Associate”

November 15, 2009

Tinha me prometido não ler mais John Grisham assim tão freqüentemente já que os dois últimos livros que li dele me decepcionaram. Mas, porque sou uma criatura insistente e porque gosto de historinhas de julgamento, comprei esse. A história é a mesma de sempre – só que sem julgamento – o que, naturalmente, me decepcionou um pouco. O protagonista é, como sempre, um rapaz Wasp, sem sal. O resto é intriga que não tem um final definitivo, o que me faz prever continuação. Bacaninha, mas John Grisham definitivamente já escreveu livros melhores.

Lido em inglês.

Só pelo título o livro já ganharia uma olhada minha, mesmo eu sendo muito cética em relação a livros de auto-ajuda. Mas li também sobre a britânica Fay Weldon, e achei que deveria ser interessante a ler o que ela tinha a dizer. Esse é um livro sobre as fontes de alegria (sexo, comida, amigos, família, compras e chocolate) e os quatro cavaleiros do apocalipse (morte, desespero, solidão e vergonha). Legal, nada pesado, bem levinho mas bacaninha. Vale uma olhada.

Lido em inglês.