“Lar,”

July 1, 2009

Lar

Preciso dizer? Compre. Vale a pena.

"Cinco Marias"

November 13, 2004

Livro de poemas de Carpinejar. Sinceramente, não sei escrever sobre poesia. Hummm, humm, Freud explica direitinho. Mas, aqui vai um dos meus preferidos:

“A honestidade é antipática.
As pessoas que são justas,
discretas, comportadas,
netos no colo, casos arquivados,
não rendem literatura.
A impureza emociona.”

Presente da Julia.

Lido em português.

Pra quem ainda não sabe, Armando Freitas Filho é meu pai. Tenho, naturalmente, todos os livros dele aqui comigo. Li todos, à medida que ia crescendo. Ao mesmo tempo, não tenho condições de escrever nada inteligente ou objetivo sobre a obra do meu pai, que é um poeta de primeiríssima linha. Ele é meu pai, ora bolas. De uma coisa eu sei, no entanto: ele é bom pra caramba. Os livros dele são:

1. Palavra, edição particular, Rio de Janeiro, 1963.
2. Dual, poemas-práxis, edição particular, Rio de Janeiro, 1966.
3. Marca registrada, poemas-práxis, Editora Pongetti, Rio de Janeiro, 1970.
4. De corpo presente, edição particular, Rio de Janeiro, 1975.
5. Mademoiselle Furta-Cor, com litografias de Rubens Gerchman, edição composta e impressa manualmente por Cléber Teixeira, Editora Noa Noa, Florianópolis, 1977.
6. À mão livre, Editora Nova Fronteira, Rio de Janeiro, 1979.
7. Longa vida, Editora Nova Fronteira, Rio de Janeiro, 1982.
8. A meia voz a meia luz, edição particular, Rio de Janeiro, 1982.
9. 3X4, Editora Nova Fronteira, Rio de Janeiro, 1985. Prêmio Jabuti de poesia de 1986.
10. Paissandu Hotel, projeto gráfico de Salvador Monteiro, edição fora do comércio, Rio de Janeiro, 1986.
11. De cor, Editora Nova Fronteira, Rio de Janeiro, 1988.
12. Cabeça de homem, Editora Nova Fronteira, Rio de Janeiro, 1991.
13. Números anônimos, Editora Nova Fronteira, Rio de Janeiro, 1994.
14. Dois dias de verão, com Carlito Azevedo e ilustrações de Artur Barrio, Sette Letras, Rio de Janeiro, 1995.
15. Cadernos de Literatura 3, com Adolfo Montejo Navas, Impressões do Brasil, Rio de Janeiro, 1996.
16. Duplo cego, Editora Nova Fronteira, Rio de Janeiro, 1997.
17. Erótica, com gravuras de Marcelo Frazão, Editora Velocípede, Rio de Janeiro, 1999.
18. Fio terra, Editora Nova Fronteira, Rio de Janeiro, 2000 Prêmio Alphonsus de Guimaraens.
19. 3Tigres, com Vladimir Freire, Rio de Janeiro,2001.
20. Sol e carroceria, com serigrafias de Anna Letycia, Rio de Janeiro, 2001.ENSAIO
Anos 70 – Literatura, com Heloísa Buarque de Hollanda e Marcos Augusto Gonçalves, Editora Europa, Rio de Janeiro, 1979.

LITERATURA INFANTO-JUVENIL
1. Apenas uma lata, Editora Antares, Rio de Janeiro, 1980. Prêmio Fernando Chinaglia, 1980.
2. Breve memória de um cabide contrariado, Editora Antares, Rio de Janeiro, 1985.

TABLÓIDE
1. A flor da pele, com fotos de Roberto Maia, edição particular, Rio de Janeiro, 1978.
2. Loveless!, com gravura de Marcelo Frazão, Impressões do Brasil, Rio de Janeiro, 1995.

ALGUMAS ANTOLOGIAS BRASILEIRAS
1. A novíssima poesia brasileira, organizada por Walmir Ayala, Rio de Janeiro, Cadernos Brasileiros, 1965.
2. Pequena antologia da poesia práxis, organizada por Cassiano Ricardo, Rio de Janeiro, Livraria José Olympio Ed., 1966.
3. Antologia dos poetas brasileiros (fase moderna), organizada por Manuel Bandeira e Walmir Ayala, Rio de Janeiro, Edição de Ouro, 1967.
4. Literatura brasileira hoje, organizada por Arnaldo Saraiva, Lisboa, Jornal do Fundão, 1968.
5. Poesia de vanguarda no Brasil, organizada por Antônio Sérgio Mendonça, Rio de Janeiro, Ed. Vozes, 1970.
6. La moderna poesia brasileña (30 autores), Rio de Janeiro, Instituto Nacional do Livro, Ministério da Cultura, 1989.
7. 41 poetas do Rio, organizada por Moacyr Félix, Rio de Janeiro, Funarte , Ministério da Cultura, 1998.

POESIA NO EXTERIOR
1. Anthologie de la nouvelle poésie brésilienne, Ed. L’Hartmattan, Paris, 1988, trad. por Serge Bourjea.
2. Brasilien land der extreme, Ed. Haremberg, Dortmund, 1990, trad. por Ingrid Schwamborn.
3. Manuskript, Forum Stadtpark A-8010, Viena, 1993, trad. por Fritz Frosch.
4. The gathering of voices – The twentieth-century poetry of Latin America, Ed. Verso, London/New York, 1993, trad. por David Treece.
5. Modern poetry in translation, New Series/Nº 6/Winter 1994-95 Special Feature: Modern poetry from Brazil, King’s College London, University of London, 1994, trad. por David Treece.
6. Antologia da poesia brasileira, Ed. Embaixada do Brasil em Pequim, Departamento Nacional do Livro, Fundação Biblioteca Nacional, 1994, trad. por Zhao Deming.
7. Cabeza de hombre, edição bilingüe, Ed. Hiperión, 1995, Madri, trad. por Adolfo Montejo Navas.
8. Poeti brasiliani contemporanei, Ed. Centro Internazionale della Grafica di Venezia, Veneza, 1997, trad. por Giampaolo Tonini, sob a curadoria de Sílvio Castro.
9. Norte y sur de la poesía iberoamericana, coordenação de Consuelo Triviño, Editorial Verbum, Madri,1997.
10. Vozes poéticas da lusofonia, organização Instituto Camões, cordenação Alice Brás e Armandina Maia, Câmara Municipal de Sintra,1999.
11. Journal of Latin American Cultural Studies Vol. 9, number 1, March 2000, trad. por David Treece.

ORGANIZAÇÃO E INTRODUÇÃO
1. Inéditos e dispersos – poesia/prosa, Ana Cristina César, Editora Brasiliense, São Paulo, 1985.
2. Escritos da Inglaterra, Ana Cristina César, Editora Brasiliense, 1988.
3. Escritos no Rio – artigos/resenhas/depoimento, Ana Cristina César, Editora da UFRJ/Editora Brasiliense, Rio de Janeiro/São Paulo, 1993.
4. Correspondência incompleta, Ana Cristina César, com Heloísa Buarque de Hollanda, Editora Aeroplano, Rio de Janeiro, 1999.

Lidos em português.

“Volátil”

January 8, 2001

Esse aqui não tem capa. Trata-se do livro de Elizabeth Fernandes Xavier Ferreira, irmã da minha tia Tereza Cristina (mãe da Ana Flavia, minha amiga de faculdade). Elizabeth, corajosa, publicou um livro de poesia como seu début. Quando abri o livro para lembrar de poesias que gostei mais, vi uma carta muito delicada dela, dirigida a mim. Falava sobre amor entre pessoas diferentes e vidas que têm outros rumos. Não sei o que fiz pra merecer ter contato com a família da Ana, mas deve ter sido algo muito bom. À poesia:

IntegralMuitos me amam
pelas mesmas razões,
puro eco de seus
próprios anseios.

Só você enfrenta
o açoite de minha
face sombria:
me ama, apesar de tudo
e de sua própria razão,
por inteiro.

Lido em português

Coletânea de textos românticos escolhidos e traduzidos por Décio Pignatari. Edição cuidada da Companhia das Letras, com os textos originais também. Contém “Vida Nova”, de Dante Alighieri; “Romeu e Julieta”, de Shakespeare; “Os rivais”, de Richard Brinsley Sheridan; e “O diário” de Goethe. Me peguei voltando no tempo, lendo as partes que havia sublinhado. Estava lendo esse livro quando meu irmão nasceu.

Lido em português.

Uma coletânea com poemas de Fernando Pessoa. Presente da mamãe. O que dizer?

“PRECE
Senhor, a noite veio e a alma é vil.
Tanta foi a tormenta e a vontade!
Restam-nos hoje, no silêncio hostil,
O mar universal e a saudade. (…)”

Lido em português.

Carlos Drummond de Andrade

August 16, 1990

Carlos Drummonde de Andrade é um dos maiores poetas do Brasil, juntamente com o meu pai, lógico :c) Tenho dois livros do Drummond, “Amar se aprende amando” ( outubro de 1985) e “O Corpo” (setembro de 1986), além de uma coletânea chamada “Nova Reunião” (agosto de 1990), presente do meu pai. Mais uma vez, não sei o que dizer sobre Drummond. Acho que falar de poesia pra mim é meio complicado… Mas adoro o lirismo de Drummond, adoro.

Lidos em português.