“Hjärtdjur”

March 11, 2012

Comprei esse livro quando Herta Müller ganhou o Nobel de literatura em 2009. Comecei a ler e achei tudo muito hermético; uma protagonista sem nome, coisas desconexas e aí deixei pra lá. Mas eis que alguns anos depois, me vejo em casa doentinha e sem um livrinho novo sequer pra ler. Fui lá, li e gostei. Herta Müller, senhoras e senhores, é a versão romeno-alemã da Clarice Lispector! Esse livro, cujo título é meio que intraduzível, também é baseado nos anos de perseguição e desespero de Ceaușescu, o terrível ditador romeno. O texto todo pesa, tudo é muito triste, e, sabemos agora, muitíssimo real. Muito bom (mesmo que Herta Müller nunca será uma das minhas favoritas, apesar da minha paixão por Clarice Lispector).

Lido em sueco.

“Parfymen”

August 7, 2008

Queria ler esse livro escrito por Patrick Süskind há um tempão. Primeiro porque sou uma criatura sensível a cheiros (tantos aos bons quanto aos ruins) e segundo porque ouvi falar que o livro era bom. Finalmente, depois de esperar assim uns 15 anos, comprei, li… e não gostei. A história começa bem, com a descrição de um mundo fedorento no século XVIII, com Grenouille, o protagonista, nascendo numa peixaria, com os processos de se fazer perfume. Mas, depois, a coisa descamba. Totalmente.

Lido em sueco.

O livro da alemã Karen Duve é gostoso de se ler porque conta uma história não muito diferente da minha, só que, claro, muitíssimo mais trágica. (Ainda bem) Por vezes chega a ser triste, mas na maioria das vezes é engraçado. Não posso escrever mais sobre Ann, a protagonista, sem misturar minha vida na trama, o que seria um erro. Então, paro por aqui. Bacana.

Lido em sueco.