“Beroendepersonligheten”

September 19, 2017

O livro de Craig Nakken, cujo título original é “The Addictive Personality”, descreve o surgimento do vício, seja de álcool, drogas ou outras doenças aditivas, jogo, sexo, compras ou a cleptomania. Nakken é considerado um “guru” då tratamento chamado Modelo Minnessota, baseado nos Alcoólicos Anônimos (12-steps), muito utilizado por aqui para o tratamento de pessoas com dependência química. O autor descreve muitos dos denominadores comuns da dependência: isolamento, vergonha e desespero. Fala da família e de como o vício pode destruir não apenas uma pessoa, mas a família inteira. Gostei muito do livro (apesar de já saber bastante sobre a teoria behind it) mas sofri com a traducão do inglês pro sueco, muito ruim. Se quiser ler, leia porque vale a pena, mas leia em inglês!

Lido em sueco.

Advertisements

“April i anhörigsverige”

September 7, 2017

Susanna Alakoski é uma das minhas escritoras nativas favoritas. Ela também é, como eu, socionom (formada como assistente social antes de se tornar escritora full time) e escreve sobre questões sociais, principalmente a influência nefasta da dependência química na vida de criancas e famílias. Esse livro é sobre os familiares que estão ao lado da pessoa com a dependência química, em sueco “anhöriga”. Essas pessoas, mesmo sem ter uma dependência química própria, vivem no terror de uma pessoa próxima, que tem. Um pai, uma mãe, um irmão que não consegue viver sem álcool ou drogas e que, por isso, faz a vida de toda a família um inferno. O livro, escrito em form a de diário durante um mês, é fantástico. Forte. Às vezes forte demais. Li, interrompi por mais de um ano e retomei.

Lido em sueco.

“Att skriva”

July 15, 2017

Adorei esse livro sobre a técnica da escrita do superescritor americano Stephen King, cujo título em original é “On Writing”. Quero muito colocar as dicas dele em acão. Ele diz que quem quer escrever tem que escrever muito e ler sempre. Bom, um desses eu já pratico desde pequena, já o outro… Gostei das passagens autobiográficas. Que talento narrativo! Nunca li um livro dele porque não me interesso por sentir medo, pelo contrário, quero sentir outras coisas quando leio. Mas vi, principalmente durante minha adolescência, alguns filmes baseados nas obras dele. Sempre gostei das histórias. Gostei muito desse livro aqui e gostaria mais ainda se eu mesma estivesse escrevendo um livro. Recomedo pra quem já escreve e para quem, assim como eu, quer escrever mais não tem coragem.

Lido em sueco.

É um dos livros mais feministas que já li, exatamente porque fala sobre o espaco extremamente estreito dado ao comportamento feminino dentro do que é normal e do que é anormal. O título do livro é “A diva ferida: sobre a estética da psique” e Karin Johanisson escreve sobre três mulheres, as suecas Agnes von Krusenstjerna, escritora, e Sigrid Hjortén, artista, e a alemã-sueca Nelly Sachs, escritora e ganhadora do Nobel de literatura em 1966. A partir das três ela discute os diagnósticos que elas receberam dos médicos da época, histeria (Agnes), esquizofrenia (Sigrid) e paranóia (Nelly). Interessantérrimo porque duas delas (Agnes e Sigrid) se rebelaram contra os costumes da época (século XX), casamento, o que se espera das mulheres em termos de comportamento e aceitância em relacão à sociedade em geral. Muito bom, mesmo que tenha achado o livro um pouco repetitivo, principalmente na parte dedicada à Agnes von Krusenstjerna.

Lido em sueco.

Ouvi falar desse livro da cientista alemã Giulia Enders (novinha, nascida em 1990) e fiquei interessada. A traducão do título é “O charme dos intestinos”. Ela escreve sobre o órgão mais esquecido do corpo humano – apesar de ser importantíssimo: os intestinos. Ela comeca o livro contando que há uma ligacão direta entre o cérebro e os intestinos, com o coracão no meio. Ficamos sabendo sobre as bactérias (as boas e as más) os vírus, como devemos fazer cocô de forma mais efetiva (com os pés num banquinho baixo, com a coluna curvada e os joelhos próximos do peito) e o que devemos comer para garantir a saúde dos intestinos e a felicidade geral da nacão. Muito legal. Adorei. (Gostei muito que a autora dedicou o livro à mãe dela, que educou a ela e à irmã por conta própria).

Lido em sueco.

Esse livro, cujo título no original é ”The Examined Life”, do psicanalista Stephen Grosz, é muito interessante. Ele conta a história de alguns de seus pacientes, de como ele os tratou e o que aconteceu depois com as pessoas. Achei interessante como ele examina as neuroses de todos nós de forma rápida e direta: Fica fácil entender a lógica da terapia. Nem preciso dizer que me identifiquei com vários pacientes, haha. Gostei.

Lido em sueco.

”Vi kom över havet”

November 29, 2015

Julie Otsuka escreve a história de uma generacão de japonesas, todas esposas “importadas” por imigrantes japoneses nos Estados Unidos. O interessante é como Otsuka conta a história: são várias as vozes. Não há um protagonist; as mulheres todas fazem parte de um coro de vozes que se entitula “nós”. O efeito é muito forte, multifacetado, rico e impressionante. Título Original: “The Buddha in the Attic”. Vale a pena. Gostei.

Lido em sueco.