Clássico de Erich Maria Remarque (título “All Quiet On The Western Front”) sobre a primeira guerra mundial, vista da perspectiva do soldado na frente de batalha. Apesar da prosa levíssima e do tema interessante, tive dificuldade de entrar na narrativa, de me concentrar no que conta o protagonista. Não sei a razão. Geralmente sou uma leitora atenta e concentrada, mas existem livros que me deixam meio de fora. Foi assim com esse e com outro autor clássico: Proust. Acho que sou uma daquelas rebeldes desfarcadas, que não se curvam à unanimidade. Ao mesmo tempo em que é uma bobagem sem fim porque tanto Proust como Remarque são autores reconhecidamente ótimos. Não me apaixonei. Mas sei que preciso relê-lo, assim como preciso reler Proust.

Lido em sueco.

“Ensam i Berlin”

May 28, 2014

Hans Fallada escreveu esse “Sozinho em Berlin” (minha traducão) em 1947. Eu nunca tinha ouvido falar. Li no meu jornal que o livro ganhou uma traducão nova por aqui e achei que seria interessante ler. E foi. Não que eu tenha me apaixonado. Longe disso. O livro é interessante porque mostra a Alemanha durante a segunda grande guerra. Gostei da história do casal que resolveu resistir à loucura generalizada do nazismo deixando cartões postais com mensagens anti-fascistas. Mas não gostei do estilo.
Lido em sueco.

“O processo”

February 28, 2011

Esse foi meu primeiro Kafka. Confesso que ainda estou me recuperando da linguagem, que me surpreendeu e me deixou assim, com um gosto metálico na boca. O absurdo da história, que na verdade não é uma história, mas em si mesmo um processo. Não sei o que dizer mais do livro. A minha opinião é que essa obra não é para ser descrita, ela precisa ser vivida. E eu acabei de ler achando que tudo não passou de um pesadelo claustrofóbico.

Lido em português.

"Cartas a um jovem poeta"

August 20, 1991

Li esse livro há tanto tempo que não me lembro de muita coisa, mas sei que Rainer Maria Rilke escreveu cartas a um jovem poeta – hence the title – descrevendo como é ser um escritor. Na verdade, lendo a resenha na livraria online de onde copiei a imagem da capa ao lado, fiquei com muita vontade de ler o livro novamente. São cartas, não são? Então, meu território preferido.

Lido em português.

Coletânea de textos românticos escolhidos e traduzidos por Décio Pignatari. Edição cuidada da Companhia das Letras, com os textos originais também. Contém “Vida Nova”, de Dante Alighieri; “Romeu e Julieta”, de Shakespeare; “Os rivais”, de Richard Brinsley Sheridan; e “O diário” de Goethe. Me peguei voltando no tempo, lendo as partes que havia sublinhado. Estava lendo esse livro quando meu irmão nasceu.

Lido em português.