“The Green Road”

October 22, 2016

Primeiro livro da escritora irlandesa Anne Enright que leio depois de ver muitas resenhas ótimas e de assistir a uma entrevista dela num programa de livros na TV sueca. Mas, me decepcionei. O livro conta a história da família Madigan, os filhos Dan, Hanna, Emmet och Constance, e da mãe Rosaleen. O pai existe mas morre logo. O interessante é que Anne Enright descreve cada filho em um capítulo separado, Hanna nos anos 80, Dan nos anos 90 (em Nova York, no ápice da epidemia de AIDS), Emmet (na África, trabalhando para ONGs) e Constance na primeira década de 2000. Dessa parte eu gostei, mesmo perdendo algumas referências culturais irlandesas e americanas. No final, todos os filhos se reúnem na casa de Rosaleen pro Natal. A mãe é uma pessoa difícil e egoista. Fica claro que ela não sabia como amar os filhos sem se colocar no centro, sempre. O livro é bom; fica claro a dificuldade dos filhos em ter uma vida emocional equilibrada depois de uma vida com uma mãe não acessível emocionalmente. Mas mesmo assim achei o livro “ligeiro” demais. Anne Enright escreve bem sobre personagens interessantes mas não desenvolve cada personagem como deveria, na minha opinião. Fiquei frustrada quando acabei de ler.

Lido em inglês.

Biografia do jornalista dinamarquês Jens Andersen sobre a grande escritora sueca de livros infantis, Astrid Lindgren. Foi ela a criadora do clássico mundial Pippi Meialonga. No Brasil ela não é tão conhecida, mas na Europa ela é uma gigante. Astrid faleceu em 2002, muito velhinha, depois de uma vida interessantíssima, que inclui um filho nascido fora do casamento nos anos 20 (uma vergonha para uma família como a dela) e muitas mudancas. Interessantíssimo saber como Astrid, ainda crianca, escrevia lindamente (pode-se ler alguns trexos dos trabalhos dela de escola) e de como o interesse dela pela natureza sueca se traduz em praticamente todos os seus livros. Adoro todos os livros dela que li junto com meus filhos, “Pippi Långstrump” (claro), “Emil i Lönneberga”, “Ronja Rövardotter”, “Madicken”, “Mio min Mio” och “Karlsson på taket”. Li, ainda quando estava aprendendo sueco, “Bröderna Lejonhjärta”, e foi um choque. O livro är lindo mas bastante diferente dos livros para criancas que eu estava acostumada naquela época (não conto pra não estragar pra quem ainda não leu e pretende ler). A biografia är muito fácil de se ler e interessante. O que eu não gostei muito foi que o autor, que já escreveu várias outras biografias, não analisa nada a fundo. Tudo é ligeiramente aprensentado, o que é bom, interessante, mas meio superficial. Recomendo mesmo assim.

Lido em sueco.