Ouvi falar desse livro da cientista alemã Giulia Enders (novinha, nascida em 1990) e fiquei interessada. A traducão do título é “O charme dos intestinos”. Ela escreve sobre o órgão mais esquecido do corpo humano – apesar de ser importantíssimo: os intestinos. Ela comeca o livro contando que há uma ligacão direta entre o cérebro e os intestinos, com o coracão no meio. Ficamos sabendo sobre as bactérias (as boas e as más) os vírus, como devemos fazer cocô de forma mais efetiva (com os pés num banquinho baixo, com a coluna curvada e os joelhos próximos do peito) e o que devemos comer para garantir a saúde dos intestinos e a felicidade geral da nacão. Muito legal. Adorei. (Gostei muito que a autora dedicou o livro à mãe dela, que educou a ela e à irmã por conta própria).

Lido em sueco.

“Nattvakten”

May 15, 2016

Mais um livro que li para o meu círculo de leituras. Fui eu quem quis ler o livro e me decepcionei um pouco. A inglesa Sarah Waters escreve muito bem, mas a história em si deixou um pouco a desejar. Ela conta de trás pra frente, de 1947, passando por 1944 e até 1941, as histórias de Kay och Mickey, Duncan e Viv, Helen e Julia. É um romance sobre a guerra em Londres e de como a vida dessas seis pessoas se desenrolou. Não conto mais para não estragar a história, mas posso dizer que a maioria das personagens femininas tem casos amorosos umas com as outras. A homosexualidade corre como um fio-condutor na história e é interessante, mas perde um pouco a graca depois da matade do livro. O que Sarah Waters faz é mostrar como era não poder viver livremente com a pessoa que você ama quando isso ainda era proibido. Não há intriga; só encontros e desencontros. O que eu acho que a autora é especialmente boa em fazer é descrever sentimentos. Quando Helen fica com ciúmes é quase como se eu estivesse sentindo a dor dela, mesmo sem nunca ter sentido isso in real life. O mesmo acontece quando a autora descreve o aborto feito por uma personagem. Muito bom mesmo.

Lido em sueco.