Primeiro livro da jornalista sueca Lena Andersson que leio. Já tentei antes, um outro, e achei péssimo. Mas esse aqui, com o qual ela ganhou o Augustpriset (um dos prêmios literários de mais prestígio aqui), é muito bom. Livro pequeno, rápido, mas interessantíssimo. Conta a história de Esther, uma acadêmica inteligentérrima, que se apaixona por um diretor de cinema. Ela está obcecada, ele, parece interessado, mas na verdade não está. O que ele quer é mais uma pessoa que o admire, como tantos outros ao seu redor. A história é contada a partir da perspectiva de Esther, ela torce a história, reflete sobre o comportamento dele, é obstinada e às vezes, chata. Mas, no final, fiquei do lado dela. Totalmente. Recomendo. Lido para o meu bookcircle.

Lido em sueco.

”Vi från Jedwabne”

October 11, 2015

A jornalista polonesa Anna Bikont escreveu um livro brutal. A história central é, como tantos outros livros, sobre a Segunda Guerra Mundial e de como grupos se acharam no direito de odiar abertamente outros grupos. Nesse caso, os poloneses antisemitas que assassinaram toda a populacão judia de várias cidades do interior do país. Bikont visita essas cidades pequenas e tenta entrevistar quem era vivo na época. Às vezes ela consegue conversar com alguém, às vezes não. Ela conta a história de um ódio de generacões, influenciado pela política da época (o que é pior, a invasão soviética ou alemã?) e pelas picuinhas entre vizinhos. Uma história contundente sobre a Europa de ontem – e de hoje, infelizmente. Muito bom. Recomendo muitíssimo.

Lido em sueco.