“Öppen stad”

September 10, 2015

Tenho uma regra aqui nesse blog, que ninguém lê, mas que mantenho por um narcisismo remanescente: não escrevo sobre livros que comecei mais não terminei. A maioria não foi terminada porque é ruim demais ou chata demais. Esse “Cidade aberta” do nigeriano Teju Cole pode ser classificado na segunda categoria. Não é ruim mas chaaato. Comeca bem, com ritmo bom mas depois pára. Totalmente estagnado, apesar de o protagonista não parar quieto, andar de um lado para outro em Nova Iorque e depois até viajar pra Europa. Bom, se não costumo escrever sobre livros que não terminei porque então escrevo sobre esse? É que quase terminei. Faltaram apenas umas 50 páginas (ou menos, não me lembro). O problema é que me cansei. Mas pode ser que alguém (será que alguém ainda lê isso aqui a não ser eu mesma?) possa gostar.

Lido em sueco.

Advertisements