“Far from the tree”

February 15, 2013

Estava passeando pelo site do New York Times e, claro, sempre acabo na página deles de livros. Calhou de ser em dezembro, quando eles publicam uma série de listas com os melhores livros do ano etc. Até coloco os links dessas listas aqui ao lado, porque acho bacana. E lá estava ele, Andrew Solomon, com um dos dez melhores livros de 2012, “Far From The Tree”, mais ou menos “Longe da árvore”, que faz referência à expressão que o fruto nunca cai muito longe da árvore. Solomon, que é professor de psiquiatria em Cornell e consultor em psiquiatria em Yale, escreve sobre o que ele chama de identidades horizontais, ou seja quando uma criança apresenta uma identidade (ou distúrbio) que não pode ser visto em seus pais. Os exemplos são autismo (capítulo impressionante), esquizofrenia, criminalidade, síndrome de down, crianças de nascem surdas ou são fruto de violência sexual, além de outras coisas. O interessante é entender como os pais se relacionam com essas mudanças ou acontecimentos; como lidam com o fato de não terem recebido a criança que tinham imaginado. O livro foi muitíssimo interessante mas foi difícil ler sem pensar nos meus próprios filhos. Li até o final e gostei muito mais fiquei meio impressionada. Se você tem filhos, leia com cautela. Se não tem, quer ter, mas é daquelas que morre de medo de tudo, não leia.

Lido em inglês.