“Eremitkräftorna”

January 29, 2009

Segunda parte da trilogia da norueguesa Anne B. Ragde, cujo primeiro livro é “Berlinerpopplarna”, que li mês passado. O título em português seria “carangueijo-ermitão”. Pra ser sincera: mesmo com o nome bacaninha, não gostei. Achei insosso, sem graça, sem o menor wow-fator. E digo isso partindo do princípio que esse livro seria um no brainer, apenas um passatempo. Não vou ler o terceiro porque me cansei das personagens, das histórias de cada um. Da repetição.
Blé.

Lido em sueco.

Advertisements

Tradução sueca do livro “Waiting For The Barbarians”, que J.M. Coetzee escreveu e lançou em 1980. Bem ao estilo do escritor sul-africano que ganhou o Nobel de Literatura em 2003, o protagonista é um homem sem nome, com certo poder e dúvidas existenciais importantes. Tem ainda o toque erótico, também muito característico de Coetzee, mas que sempre soa de alguma forma doloroso. O sexo não é feliz, é angustiado, uma obcessão. Mas, veja bem, o livro ótimo. O protagonista é um prefeito de uma cidade no meio do nada, numa terra conquistada, onde a população nativa é vista como bárbara. E os dominadores vivem atrás de seus muros enormes, em pânico constante com a possibilidade de uma invasão bárbara.

Lido em sueco.

“Berlinerpopplarna”

January 3, 2009

Peguei o livro da norueguesa Anne B. Ragde emprestado com uma colega de trabalho. Numa pausa pro café, sentei numa mesa em que elas contavam a história da família Neshov e gostei do que ouvi. São três os irmãos: um agente funenário solitário e triste, um fazendeiro solitário e triste e um vitrinista gay, feliz e casado. E mais: uma filha veterinária, um pai que não é pai, um amante dinamarquês e uma mãe frustrada e morta, razão do encontro geral. O livro é um daqueles no brainer que são uma delícia de se ler de quando em vez. Sem ambições acadêmicas. Férias pros meus neurônios.

PS.: O título é o nome de uma árvore que os alemães plantaram na Noruega durante a ocupação do país na Segunda Guerra Mundial. O objetivo era construir uma mini-germânia por essas bandas e evitar, com isso, o banzo geral das tropas tedescas.

Lido em sueco.